{ background: black }

domingo, janeiro 23, 2005

The Arcade Fire - Funeral (2004)

 pelO Puto 


O belíssimo e denso trabalho de estreia dos The Arcade Fire nasceu provavelmente da necessidade de purgação da dor, consequência natural do luto dos seus membros, como o nome do álbum aponta. A música como catarse não é novidade, mas a forma e a urgência com que os seus compositores principais - marido e mulher Win Butler e Régine Chassagne - o fazem é algo mais raro. A exposição é enorme e a intimidade é partilhada.
Através de uma boa execução, devida à educação musical dos seus membros, podem-se apreciar em "Funeral" composições majestosas, temas em dois tempos e ritmos simples. Há toda uma diversidade de instrumentos - guitarra, piano, acordeão, bandolim, cordas, flauta - que conferem riqueza a cada nota, contribuindo para o conjunto final e não funcionando como ornamento, como tantas vezes se constata por aí. A voz bamboleante, penosa e por vezes esganiçada de Win Butler contrasta com a harmonia aguda da sua esposa, contrapondo a dor evidente do primeiro com a frescura e tom esperançoso da segunda, em textos por vezes bilingues. Pensamos ouvir, aqui e ali, os Swans, os Flaming Lips ou os Joy Division, os arranjos bem incisivos não nos largam os ouvidos, as recordações de infância, os balanços e os sonhos são expostos e apontados à nossa mente, para que os possamos empaticamente visionar.
Embora a ignição do registo tenha sido a morte e a melancolia domine o som, é a lembrança e a presença do amor que serve de motor para toda a vida e para este trabalho em particular, que lhe injecta a força necessária.
http://www.arcadefire.com/

5 Comments:

Blogger Rui Ribeiro disse...

A par do homónimo de estreia dos The Dresden Dolls, talvez o disco do ano de 2004!!!

24/1/05 9:26 da tarde  
Blogger sandra disse...

:)

becksfan

24/1/05 10:28 da tarde  
Blogger O'Couto disse...

A expressão Queer surge para dar nome a uma teoria dos estudos gays e lésbicos, no entanto é tão abrangente ao ponto de basicamente "negar" tudo aquilo que catalogamos até hoje por heterossexualismo e homossexualismo. Falando em linhas gerais de um mundo de igualdades! Daí estares na secção "Queer One's", até porque é a única no meu blog!Desculpa a resposta ao teu comente EHEH E boas visitas:)

25/1/05 5:42 da tarde  
Blogger pedroreis disse...

Grande album, sim senhor! 2º classificado no meu top;)
Um abraço

26/1/05 3:55 da tarde  
Blogger Musicologo disse...

Belo blog, parabéns! Tenho de ver se começo a estar mais atento, que isto de falar de música como deve de ser não é para todos!...

28/1/05 6:18 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home