{ background: black }

segunda-feira, maio 08, 2006

Yeah Yeah Yeahs - Show Your Bones (2006)

 pelO Puto 



Os nova-iorquinos Yeah Yeah Yeahs surpreenderam e prenderam as atenções em 2002/2003 com um par de EP's e o álbum "Fever To Tell". Com sentido de urgência, atitude punk, economia de recursos, sujidade no som, uma vocalista bem carismática (espécie de Debbie Harry, PJ Harvey, Siouxsie e Chrissie Hynde numa só mulher), letras sem rodeios e uma energia crua semelhante um chuto de adrenalina destacaram estes registos dos demais contemporâneos. Tinha momentos de encanto mas era a pujança que se sobrepunha. Uma pujança imparável que sublima emoções e que expõe toda a juventude da banda. Uma imaturidade que nos impele, portanto.
Ao segundo registo estão mais crescidinhos, com todas as implicações que daí advêm. Mais empenho na voz de Karen (mas com menos veemência), mais instrumentos e arranjos (não necessariamente melhores, pois é inevitável a comparação aos riffs de "Rich", "Maps" ou "Y Control") que derivam de uma maior atenção à melodia (há belos momentos, e arrisco a dizer que "Dudley" está para o segundo registo o que "Maps" era para "Fever to Tell"), não sendo de estranhar também os textos menos ásperos e mais introspectivos (os títulos dos álbuns são bastante sugestivos no que diz a isso respeito). Haverá pontualmente momentos menos bem conseguidos, mas não há grandes oscilações. Alguma da receita do álbum de estreia está aqui presente (o suficiente para se poder afirmar que "é um disco YYY"), porém o caminho induzido pela evolução tomou aqui bom rumo, resultando num disco mais diversificado, mais maduro e menos ébrio. Poder-se-ia até fazer a analogia sequencial da acto sexual e período pós-coito para os dois álbuns. São ambos bons, não são?
Eu não apanho bebedeiras todos os dias mas de vez em quando cometo uns abusos, e tal não implica que seja melhor ou pior pessoa. Apenas diferente, e as percepções da diferença é que fazem os juízos. Tal também é aplicável a este disco.
Sítio oficial dos YYY
YYY no MySpace
Amostras: Way Out | Dudley | Turn Into

10 Comments:

Anonymous Anónimo disse...

puto, a vocalista dos yeah...não chega aos calcanhares da Debbie Harry, PJ Harvey, Siouxsie e Chrissie Hynde...

9/5/06 5:37 da manhã  
Anonymous João disse...

Curto muito o album! Cheated Hearts é a canção de eleição para mim..

9/5/06 8:55 da manhã  
Blogger myself disse...

Karen O rules!!
:P

9/5/06 10:36 da manhã  
Blogger O Puto disse...

Ao Anonymous: Não comparei a Karen O a essas mulheres emblemáticas. Apenas disse no sentido em que possui um pouco de todas. Mas penso que está bem acima dos calcanhares.

Ao João: Pensado bem, "Cheated Hearts" tb poderia muito bem ser o "Maps" deste álbum.

À Myself: Sista, you're the one that rules!

9/5/06 12:57 da tarde  
Blogger myself disse...

Oh brother...agora fiquei sem palavras... :D

9/5/06 1:01 da tarde  
Blogger Kraak/Peixinho disse...

Gosto deste álbum. Gosto simplesmente. É sem dúvida um conjunto de músicas muito mais maduras, mas acho que faltava um pouco da gritaria do 'Fever to Tell'. Os EP's iniciais é que me surpreenderam muito. :) PCoura rules com YYY's :D

10/5/06 1:44 da tarde  
Blogger gonn1000 disse...

Não acho que seja um grande disco, mas ouve-se muito bem do princípio ao fim. "Dudley" e "Cheated Hearts" também são as minhas preferidas. Estiveste bem na crítica, especialmente no final :)

10/5/06 2:00 da tarde  
Anonymous Luiz Orlandini disse...

Escreves muito bem! Parabéns!

10/5/06 8:25 da tarde  
Blogger Nostromo disse...

Achei o album bastante irregular, e limpo demais. Gostei dos momentos mais sujos the The Sweets e Warrior.

11/5/06 10:25 da manhã  
Blogger fabiana disse...

A meu ver, há demasiado Show Off, muito aparato para a consistência musical…

12/5/06 3:20 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home