{ background: black }

quarta-feira, março 02, 2005

Konono Nº1 – Congotronics (2005)

 pelO Puto 


Uma surpresa vinda dos arredores de Kinshasa, no Congo. Existe uma cena musical fervilhante nessa região de África, e a conceituada editora belga Crammed Discs está a ajudar a divulgá-la. Através de uma série de lançamentos, entitulados “The Congotronics Series”, pretende dar a conhecer vários projectos musicais que combinam as heranças ancestrais com experimentação e electrónica, no sentido mais lato desta última.
O primeiro volume é dedicado a um colectivo que já conta com mais de 25 anos de carreira. Os Konono Nº1 utilizam instrumentos e sistemas improvisados, construíndo microfones e percussões a partir de peças de automóveis e outras peças metálicas (tachos e frigideiras, por exemplo), amplificando e distorcendo os sons do instrumento tradicional denominado likembé (que não é mais que uma caixa de ressonância com algo que se assemelha a um conjunto de teclas), e recuperando megafones da época colonial.
A estrutura rítmico-repetitiva dos temas longos que compõem o CD derivam, segundo dizem, do Bazombo, uma espécie de trance music, ao qual conferem a distorção, a reverbação e o inevitável apelo à dança. Complementam tudo isto com cantos que nos remetem indubitavelmente para África, mas o conjunto sugere uma enorme jam session. Pode-se dizer que esta música tribal/industrial assemelha-se por vezes a algumas vertentes do rock experimental e da electrónica mais vanguardista, o que deixa adivinhar que muito boa gente deste meio irá retirar daqui algumas ideias. Vai uma aposta?
O 2º volume desta série, a ser lançado em breve, consistirá numa compilação de vários artistas deste movimento de redefinição da cultura popular.
http://www.crammed.be/

4 Comments:

Blogger FDV disse...

caro puto, obrigado pela visita e sempre interessante/útil informação.

[atestado de marginalidade: aos 27 não conhecia o projecto inspiral carpets]

a respeito de konono [e vem aí uma impertinência] não é à toa que os gato fedorento falam de kinshasa como capital mundial do lusco-fusco.

os melhores cumprimentos do oeste estremenho.

3/3/05 12:04 da manhã  
Blogger Musicologo disse...

Eu sou completamente doido por esse instrumento da foto, que é uma caixa de ressonancia (ate pode ser um coco partido) e as teclinhas metalicas. Originalmente é uma Mbira, mas em moçambique chamam-lhe Kissange. (as aulas de Etnomusicologia que saudades!). Uma vez encontrei um e passei horas a tocar aquilo até os dedos quase sangrarem. Mas é difícil encontrar um decente, ou pelo menos que se mantenha afinado decentemente para fazer melodias interessantes e jogos rítmicos também. Mas ainda não desisti de encontrar um!!

3/3/05 4:18 da manhã  
Blogger O Puto disse...

De facto likembé é um regionalismo para mbira, que também poderá ser apelidado de kalimba, marimba, ikembe, likembe, marimbula, sansa, sanza, finger harp, gourd piano ou thumb piano.

4/3/05 4:32 da manhã  
Blogger TheMalau disse...

No hablo Portugues, pero ese grupo es un orgullo nacional para mi pais, Congo. Su nivel de ingenio para transformar cosas muy basicas, y muy "primitivas" a primera vista, en us systema de sonido electrico que funciona perfectamente,con un microfono de madera... Pura maravilla!

6/4/05 11:09 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home