{ background: black }

sábado, janeiro 20, 2007

Working For a Nuclear Free City - Working For a Nuclear Free City (2006)

 pelO Puto 



Manchester foi o berço de muitas bandas famosas e/ou influentes. Bandas como Magazine, Buzzcocks, Joy Division, A Certain Ratio, Chameleons, The Durutti Column, New Order, Smiths, James, Stone Roses, Happy Mondays, 808 State, Oasis e Chemical Brothers ou editoras como a Factory são apenas alguns nomes saído desta cidade inglesa que, apesar de relativamente pequena (tem menos de 1/10 da população londrina), é incontornável na história da música popular. E é precisamente da cidade mais importante do período da revolução industrial (ela própria berço de uma revolução musical) que surge este novo projecto, que bebe influências da sua terra natal. Imaginem os Stone Roses, os Primal Scream, os My Bloody Valentine, os Spiritualized e os Chemical Brothers a unirem esforços num só álbum. É isso que este quarteto atingiu de forma harmoniosa e simbiótica. O psicadelismo omnipresente serve de cimento entre uma série de temas geralmente curtos, instrumentais ou com uma voz líquida, unindo o madchester, o shoegazing e o big beat num só disco. As guitarras e as batidas vivem aqui uma perfeita simbiose, o que constitui uma proeza muitas vezes tentada mas poucas vezes bem conseguida.
Este disco remete, de certa forma, para os anos loucos de Manchester em finais de 80, inícios de 90, mas tal é abordado de forma tão honesta que elimina qualquer vestígio de nostalgia, direccionando-nos para os prazeres do presente.
Já agora, para quando um disco sobre a Creation, tal como aconteceu com a Factory em “24 Hour Party People”?
Sítio oficial dos Working For A Nuclear Free City
Working For A Nuclear Free City no MySpace
Amostras: Troubled Son | The Tape | Over

10 Comments:

Anonymous Anónimo disse...

Já estive a ouvir no MySpace e gostei. Às referências que citaste, acrecentaria os Underworld, particularmente na faixa "Troubled Son". E são da mesma editora desta pérola que eu tenho andado a "vender" a meio mundo:
http://www.myspace.com/theisles

Muito Smiths, não achas?

20/1/07 8:11 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

é um grande álbum, dos melhores que foi editado em 2006, e conseguiste descrevê-lo na perfeição. Parabéns.
Um abraço

21/1/07 2:33 da manhã  
Blogger membio disse...

ouvi há pouco tempo, apesar de não me ter impressionado à primeira audição, penso que existe uma sensação em crescendo... a ver vamos!

21/1/07 9:38 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Um filme sobre a Creation é que era!!! Para fazer o papel do Alan McGee escolheria o Robert Carlyle, devido às experiências anteriores como "escocês tresloucado"...

22/1/07 5:15 da tarde  
Anonymous M.A. disse...

Um filme sobre a Creation é que era!!! Para fazer o papel do Alan McGee escolheria o Robert Carlyle, devido às experiências anteriores como "escocês tresloucado"...

22/1/07 5:17 da tarde  
Blogger truman disse...

passas-te isto no sabado, não foi?

23/1/07 10:32 da manhã  
Blogger O Puto disse...

M.A., quando comprei este disco também ouvi os The Isles, mas hesitei e não comprei. Fizeram-me lembrar muito os Smiths.
Truman, passei, sim senhor.

23/1/07 11:10 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Manchester rulesss.... Adoro esta cidade porque respira música e busca incessantemente novos talentos, apoiando incondicionalmente as novas bandas que vão florescendo nos pequenos pubs... Por aqui me vou deixando contagiar

25/1/07 3:23 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

gosto muito, esta actualmente no meu querido ipod nano, e tenho pena nao os ter incluido na minha lista de 2006

25/1/07 6:44 da manhã  
Anonymous astropastor disse...

Bela sugestão. Estou a ouvir agora no myspace e cativou-me à primeira audição.

29/1/07 1:14 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home