{ background: black }

sexta-feira, fevereiro 16, 2007

Nine Inch Snails

 pelO Puto 


Fotografias cortesia da Myself. Thanks, sista!

O título deste post diz apenas respeito ao tempo de espera dos fãs dos NIN por um concerto da banda em terras lusas. Como não há fome que não dê em fartura, ofereceram 3 concertos de abertura da nova tournée. Tive oportunidade de os ver no passado sábado, dia que mais convém a muita gente, e razão pela qual muita gente do Norte se deslocou à capital para ver o sr. Trent Reznor e Cia. Afinal, não é todos os dias que se assiste à actuação desta banda emblemática de um só homem, responsável pela transposição para o mainstream de géneros até aí apenas objectos de culto, incorporando num único cocktail a música industrial, a electrónica e o rock. Sem os dois primeiros álbuns dos NIN, não haveriam (ou pelo menos não teriam o sucesso que têm) bandas como Marilyn Manson, Rammstein ou Filter.
O pouco que vi da banda que assegurou a primeira parte (The Popo) não me impressionou, pois pareceram-me um sucedâneo dos próprios NIN. Porque raio não vieram antes os Ladytron, que assegurarão a abertura da maior parte dos concertos na Europa? Enfim…
As expectativas eram algo altas para esta primeira passagem, e de certa forma não foram defraudadas. A entrada em palco foi muito bem recebida com um tema de The Fragile, mas as hostes agitaram-se com “Mr. Self Destruct”, do álbum que eu considero como seminal – “The Downward Spiral”. Seguiu-se uma revisitação aos 4 álbuns de originais e do EP “Broken”, por entre hits, temas fortes e outros mais introspectivos, interpretados de uma forma bastante competente. E foi precisamente essa a impressão que me deu: que o concerto não foi muito além do conceito de profissionalismo. As emoções geradas pela performance foram-me induzidas mais pela familiariedade com os temas do que com aquilo que os artistas geraram directamente. O estatuto de superstar de Trent nada se coaduna com a origem que teve no underground. Para culminar a minha decepção não houve encore, apesar da grande insistência do público.
Quem viu os outros 2 concertos poderá atestar que este foi apenas o primeiro painel de um tríptico ou o primeiro volume de uma triologia que se desenvolveria de melhor forma nas partes subsequentes, mas achei injusto para quem apenas viu este e pagou o mesmo que os outros.
De resto, gostei da atitude do Sr. Reznor por não ter interrompido a actuação apesar da falta de iluminação no palco, transferindo as atenções para o público. Destaque também para a iluminação simples mas eficaz e para a boa forma física do sr. Reznor, que conduz este projecto há quase vinte anos. Já sobre a evolução musical não se poderá dizer o mesmo.

11 Comments:

Blogger O Tipo disse...

Subscrevo, faltou ali qualquer coisa...

16/2/07 9:42 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Com a mania dos 3 concertos em Lisboa (quando é que isto vai acabar?) não esgotaram em dia nenhum...
Também esperei por um encore que não veio.

16/2/07 5:12 da tarde  
Blogger arabie disse...

a partir de março a primeira parte dos concertos de NIN vai ser com os LADYTRON um eletropop muito bom.

Talvez espreite a telefonia no sábado. aberbamos.

16/2/07 5:41 da tarde  
Blogger Kraak/Peixinho disse...

Foi demolidor, avassalador, brutal, ... foi mesmo muito bom! O que faltou mesmo foram uns temas a mais para encores. Mas ok. Este já entrou para o rol dos melhores concertos a que assisti em toda a minha vida.

Hugzz demolidores

16/2/07 10:51 da tarde  
Blogger Extravaganza disse...

Porra! O melhor concerto que assististe em TODA a tua vida?!?!?!

Não sendo grande fã, achei-o um bom concerto mas sinceramente os srs. podiam enriquecer mais o cenário, não?!?! Umas lâmpadas do Ikea a balançar dum lado para o outro e uma estroboscópica que não me deixava olhar em frente para o palco?!?!?...

:s

17/2/07 9:03 da manhã  
Blogger gonn1000 disse...

Também só vi esse e gostei muito, a questão da familiariedade com os temas despertar mais impacto do que a actuação da banda faz sentido, mas mesmo assim acho que não desliudiu, a não ser pela falta de encore que impôs um final algo abrupto.
E sim, com os Ladytron na primeira parte seria muito melhor, mas se calhar desmaiava com a overdose de entusiasmo.

17/2/07 5:20 da tarde  
Blogger joao disse...

perfeito, texto com optimas tiradas. entao a ultima frase, diz quase tudo sobre os nine inch nails

18/2/07 3:20 da manhã  
Blogger JORGE disse...

Por acaso gostei imenso, mas fui no 3º dia e não tocaram a hurt, perfect drug e a starfuckers...:(

20/2/07 2:01 da manhã  
Blogger myself disse...

Não posso comentar...vou abster-me!!!

21/2/07 8:06 da tarde  
Blogger Zorn John disse...

BUUUURN!!!!!

1/3/07 6:28 da tarde  
Blogger Mr. Brightside disse...

"...mas achei injusto para quem apenas viu este e pagou o mesmo que os outros."

Quem viu os três pagou três vezes mais. Por isso não é assim tão injusto. :)

Abraços homónimos.

15/3/07 5:04 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home