{ background: black }

quarta-feira, fevereiro 20, 2008

Chained again

 pelO Puto 



Quando os Raveonettes entraram no palco do Theatro Circo, o imaginário Jesus & Mary Chain circa “Psychocandy” instalou-se. O par tarola - timbalão fez-me voltar atrás no tempo e relembrar o videoclip de “Just Like Honey”. É certo que a comparação com a banda dos irmãos Reid é inevitável, mas os dinamarqueses levaram o conceito desse disco um pouco mais longe. Exploram directamente as linhas melódicas dos anos 60, ao jeito de Phil Spector, utilizam guitarras em distorção como wall of sound, e recorrem ao universo dos Velvet Underground. A isto juntam-lhe inspiração em filmes série B, apontamentos rockabilly e um toque de elegância. Esta fórmula garantiu-lhes um lugar no actual panorama rock e uma carreira que já conta com quatro registos. “Lust Lust Lust” (2007) marca um certo regresso às sonoridades mais sujas, que os celebrizaram em “Whip It On” (2002) e “Chain Gang Of Love” (2003), mas que deixaram de lado em “Pretty In Black” (2005), em prol de um som mais polido.
Logo no início é-nos dado o aviso que Sune Rose Wagner não poderia cantar devido a problemas com a voz. A bela Sharin Foo assumiu toda a vocalização, e aguentou-se muito bem, apesar da ausência das típicas harmonias vocais se sentirem bastante em alguns temas. O último álbum foi o grande mote do concerto, mas não faltaram clássicos modernos como “That Great Love Sound”, “Attack Of The Ghost Riders” ou “Love In A Trashcan”. O apelo dançante de alguns temas foi irresistível, pelo que houve uma invasão da frente da plateia, para gáudio da banda e do público, que se comportou como se estivesse num baile escolar de fim de ano sessentista. Ainda abordaram os Stereolab com “French Disko” e brindaram-nos com “Twilight” no encore. Apesar das faltas, o concerto teve boas doses de energia e o som estava bem equilibrado.
Mais uma vez, valeu a pena ir a Braga. A julgar pela quantidade de pessoal do Porto que lá se deslocou, não entendo porque não se organizam concertos destes na Invicta.

6 Comments:

Blogger ups disse...

Ainda o achei curto. No final do concerto ainda tinha pica para muito mais...

21/2/08 2:16 da manhã  
Blogger Debbie Harry disse...

Também não percebo porque não vieram ao Porto...para quem não tem carro é complicado. Eu gostava muito de ter ido, mas fico contente por saber que foi bom:-)

21/2/08 10:06 da manhã  
Blogger Joe disse...

Epá, ainda assim este ano não os podemos queixar muito! Já cá cantam 2 ou 3 concertos bem positivos, e estão agendados mais uma boa meia dúzia. E caramba, nos dias que correm ir ver um concerto a Braga é quase como ir jantar fora :)
Abraço

21/2/08 10:49 da manhã  
Blogger Joe disse...

Btw, atendendo aos teus pedidos os animal collective foram relocalizados para a Invicta :)

21/2/08 10:52 da manhã  
Blogger Joao disse...

fui vê-los ontem no alquimista e .. gostei!
um concerto simples, feito apenas de música e uma boa entrega em palco, lá está, apesar da falta da voz masculina, que fez perder um pouco a força. contudo, a entrega da Sharin ajudou a equilibrar um pouco as forças.
no fim, dois dedos de conversa com ela no backstage..a miuda é mesmo alta, chiça!!

21/2/08 6:37 da tarde  
Blogger M.A. disse...

Pelo que contas o concerto de cá não foi muito diferente. À última da hora ofereceram-me o bilhete e acabei por ir. Em boa hora!

Hasta mañana!

22/2/08 12:23 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home