{ background: black }

terça-feira, junho 14, 2005

R Tape Loading Error

 pelO Puto 


O que está aqui em questão não é o conceito de cópia ilegal, mas a forma desta. Lembram-se quando as cassetes eram a grande ameaça à indústria musical? Se não fossem essas fitas magnéticas, provavelmente muitos de nós não conheceriam tanta música, não é?

8 Comments:

Blogger O Astronauta disse...

...e se não fosse a internet, provavelmente, não conhecia um décimo da música que hoje se faz! Graças à internet possso ouvir um disco antes de me decidir pela sua compra! Graças à Internet tenho acesso a discos que neste país não se encontram à venda nas lojas. Discos que teria todo o prazer em comprar, se os visse à venda por aí...Por tudo isto, e muito mais, é que a Internet assusta muita gente, principalmente as grandes editoras discográficas, que assim perderam o controlo sobre a música que editam! Que pena que eu tenho deles...

14/6/05 1:36 da manhã  
Blogger membio disse...

É muito provável que o meu interesse pela música nem sequer tivesse surgido se não fosse a Internet e as cópias ilegais (seja de que forma surjam). Há muita música que eu faço o download ilegal, e se gosto, compro. Provavelmente terei cerca de 40% de originais para 60% ilegais. Seja pela Ebay, Amazon, CDGO ou até pelo site do próprio artista, como já tem acontecido. Por vezes ainda compro CD's nas lojas convencionais, tipo FNAC ou Valentim de Carvalho. Tou a gastar dinheiro duas vezes e ainda por cima reclamam. São mesmo tótós!

14/6/05 12:07 da tarde  
Blogger lyric disse...

Quem diz cassetes, diz VHS... muitos dos meus amigos que não têm net e me criticam de sacar muita música, eram pessoas que faziam copias a torto e a direito nos formatos antigos.


E digo mais, enquanto forem as grandes editoras a controlarem o mercado e a ganharem rodos de dinheiro à custa dos artistas podem esquecer compras da minha parte. De editoras independentes terei todo o gosto em comprar albuns, embora admita que já não compro um álbum à muito tempo.


P2P 4ever :)

14/6/05 4:53 da tarde  
Blogger myself disse...

As editora choram por um poder que já não possuem e eu cheia de pena...era previsível que tanta ganância e falta de visão iria conduzir a esta situação. Os artistas sempre ganharam com os concertos. Nesses eu estou lá.Para comprar, com a pouca oferta em distribuição e os preços praticados pelas EDITORAS (não pelas lojas...), o pássaro azul parece-me boa opção. Os saldos ali em Madrid tambem.
E só eu sei como admiro aquele prazer de rasgar o plástico dum disco novo...

14/6/05 9:00 da tarde  
Blogger Kraak/Peixinho disse...

Tb eu Astronauta; estou cheio de pena das editoras. E mais ainda, pena dos sucessivos governos deste nosso país os quais insistem em manter o IVA (a breve prazo) a 21% sobre a música. Enfim. Uma falta de ética sem explicação plausível. Viva a Cultura! Cultura para uns significa apenas "algumas coisas". Canojo!
Puto, parabéns pelo post. E os comentários são todos pertinentes.
Hugzzz

14/6/05 11:16 da tarde  
Blogger moon between golden stars disse...

Tens toda a razao do teu lado... e aquelas fantásticas compilaçoes que se fazias em cassetes de 90 min que rodavam vezes sem conta no leitor... e quando elas ficavam encravadas no leitor... e quando a fita se partia e com toda a cautela do mundo se iam buscar aquelas chaves minusculas de estrela, se desmontava a cassete guardando minunciosamente todos os bocadinhus para colar a fita e voltar a colocar tudo no mesmo lugar... :D era cada aventura...
As pessoas continuam e continuarao a utilizar o "contrabando musical" enquanto os cd's continuarem a custar as exorbitancias que se praticam neste país... e eu assino por baixo... e já que me deste música vou linkar-te :)

Um abraço lunar

15/6/05 6:52 da tarde  
Anonymous nel disse...

Sim eu admito ... já há meses q nao compro um cd original, aliás sou conhecido como o pirata desenfreado, saco quantidades absurdas de coisas q às vezes nem oiço... ah ... para que era mesmo este comment ... pois ... era para dizer que também não discrimino entre artistas com trabalho editado e "gajos desconhecidos que metem quase tudo em mp3 para o pessoal sacar na net", e que sou presença assídua em concertos e "Live Acts" de projectos que goste (normalmente arranjo maneira de ficar na guestlist dos dj sets) e pago bilhete. Será que vão fazer uma lei de copyright só para mim ?

Outra coisa ... sempre que alguém vos entalar com essa da pirataria ... perguntem se eles também pagaram 600 contos pelo Photoshop ou mesmo 30 pelo Windows XP que usam lá em casa ... e vejam-nos ficar entalados ...

16/6/05 5:46 da tarde  
Blogger RYU disse...

É necessário voltar à origem das coisa, primeiro surgiu o som , mais tarde o verbo e alguns milhões de anos transactos, surgiu o modelo económico ocidental. Na teoria, a musica deveria reassumir o seu carácter profundamente humano e como tal poderia ser uma dádiva de um autor para a humanidade, na prática, a indústria musical e o oportunismo de certos “artistas” transformaram uma linguagem universal num negocio chorudo e embrenharam-na na estética e no marketing. Infelizmente nos tempos que correm tudo é global, em particular a estupidez, os raros artistas que gostariam de fazer parte de uma filosofia de divulgação e distribuição diferente, vêem-se arrastados de uma forma ou de outra para a máquina, para o inquestionável sistema comercial sob pena de não serem divulgados ou não terem uma repercussão suficiente, com eles vai a nossa esperança de um mundo musical diferente…
O que eu acho da pirataria? Um bom peso na balança da minha consciência.

14/7/05 1:43 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home