{ background: black }

quinta-feira, novembro 10, 2005

Isolée - We Are Monster (2005)

 pelO Puto 


Seria pouco dizer que a música produzida pelo alemão Rajko Müller é house. De facto os 120 bpm são predominantes ao longo do álbum, mas os elementos que as acompanham revelam algo bem mais englobante. Já tinha sido revelado em "Rest" e no novo disco é plenamente explorado. As batidas revestem-se de sons puramente electrónicos e alguns samples orgânicos, resultando em paisagens sonoras que vão desde o electro até ao ambient techno, passando pelas incursões nos terrenos electroacústicos ("Schrapnell", "Today"), roubando também elementos ao synth pop dos anos 80 e ao hip hop dos primórdios. As composições apresentam uma beleza aparentemente dissonante e um encanto invulgar nestes terrenos supostamente dançantes. É um efeito créme brulèe: debaixo do caramelo duro e feio está o doce pretendido. Afinal, o monstro precisa de amigos.
http://www.isolee.de/
Amostras: Schrappnell | Enrico | Today

3 Comments:

Anonymous nel disse...

Será techno, será house ?, trance não é certamente, e o drum'n'bass não bate assim!

Fui dançar, por aí chamam-lhe Tech House ou Minimal.

Nomes:
+Lento:
Superpitcher, Ada, Roman Flügel, Metaboman, Alex Smoke.

+Rápido
Metope, Basteroid, Alter Ego, The MFA, Modeselektor, Robag Whrume

The minimal revolution is coming ... :)

10/11/05 9:34 da tarde  
Blogger O Puto disse...

Não há nada como um complemento técnico ao post.

11/11/05 12:53 da manhã  
Blogger membio disse...

ena tanto nome :)

Apenas conheço o Alex Smoke (alb:Incommunicado), ao qual já fiz uma crítica no meu blog, progressive -minimal-house ---- something like that!!!

12/11/05 10:54 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home