{ background: black }

quinta-feira, outubro 20, 2005

Repeat

 pelO Totó 


Um dos 3 colegas com que partilho o gabinete resolveu apaixonar-se por uma música e ouvi-la em Repeat. Como não tem uns míseros auscultadores resolveu partilhar durante duas horas esta paixão assolapada. Apesar disso não protestei porque uma das coisas que mais me fascina é descobrir uma qualquer música que por alguma razão, por mais parva que seja, um belo dia me dê vontade de a ouvir até à exaustão. Mas não é uma coisa de que me vá gabar no bar aos meus amigos: "Eh pá pessoal, hoje ouvi 20 vezes seguidas o 'Candle in the wind' do Elton John". De certeza que se faria um silêncio incómodo até que um amigo me libertaria do suplício dizendo "Viram as mamas da empregada?". Definitivamente ouvir uma música em repeat é uma experiência íntima e inconfessável. Íntima, porque as probabilidades de apetecer ouvir em repeat uma determinada música a mais do que uma pessoa são ínfimas e a acontecer seria, imagino, uma experiência zen digna de figurar na revista Xis do Público. Inconfessável porque, pelo menos a mim, quase sempre acontece com músicas parvas, de bandas de que não sou particularmente fã. Posso no entanto confessar que a última música que ouvi em repeat foi o 'I Wonder' do Gomo. Esta música tem um refrão irresistível, a letra fala de um amor não correspondido num tom melancólico que causa fascínio em qualquer português. Mas não foi tanto a música que me fez um click no cérebro, foi mais associá-la ao brilhante vídeo de Rui de Brito, em que Gomo vai destruindo todos os equipamentos informáticos que lhe aparecem à frente com um taco de basebol, enquanto destila a sua dor de corno. Ouvir esta música no trabalho enquanto me imagino a pegar nos servidores HP que pesam uns 500 quilos e atirá-los pela janela com a cablagem agarrada é libertador.
http://www.ruidebrito.blogspot.com/
http://gomoland.blogspot.com/
http://www.gomo.cc/

17 Comments:

Blogger O Tipo disse...

Mais libertador é mesmo partí-los com um taco de alumínio de baseball...ahhhhhh

20/10/05 4:47 da tarde  
Blogger Kushinada San disse...

aconteceu-me uma altura ficar a dormir com um cd dos dead can dance no repeat e no dia seguinte o meu cerebro estava atolado de informação de(ad)ca(n)d(ance)ente.
caso pontual felizmente pois agora já os consigo ouvir novamente.nos meus tempos de adolescência conhecia um rapaz que gravou numa cassete de 60 minutos o 'viva la españa' sete vezes,a musica tem cerca de sete minutos.não consigo imaginar pior cenário.............

20/10/05 5:31 da tarde  
Blogger The Boy with the thorn in his side disse...

Quanto a ouvir muitas vezes seguidas a mesma música, na minha opinião é coisa que não se deve fazer! é como a companhia de uma boa mulher, ou de um prato que se goste! Deve ser doseada, sob o risco de ela nos deixar de surpreender! Há tanta coisa boa por aí, que ouvir assim tantas vezes, é perder tempo, porque poderia-mos ouvir outra ´grupo ou música, e é "saturar" os ouvidos, e deixar de apreciar uma música da mesma meneira que antes! Há muitos álbuns que ouço e já ouvi bastantes vezes! Mas tantas vezes seguidas, acho que não é bom! Vejo casos recentes de pessoas a dizer que estão fartas de isto ou aquilo percisamente porque ouviram até cansar!

20/10/05 7:20 da tarde  
Blogger O Puto disse...

Quem ouve rádio sabe muito bem o que é ouvir músicas em repeat. E isso não é, de longe, uma experiência íntima e inconfessável.

21/10/05 10:42 da manhã  
Anonymous palu disse...

Eu confesso: "Hey Now Now" dos Cloud Room umas 20 vezes...

21/10/05 11:18 da manhã  
Anonymous rjm disse...

Eu faria o mesmo com o servidores aqui :).
Repeat? Este ano, aconteceu-me duas vezes: "We Need a War", dos Fischerspooner, e uma bootleg ao vivo do "I Saved the World Today", do Eurythmics.
Alguém ofereca uns headphones ao teu colega :).

21/10/05 12:47 da tarde  
Blogger gonn1000 disse...

Por aqui tem-se ouvido "Destroy everything you touch", dos Ladytron, 3 ou 4 vezes seguidas :)

21/10/05 1:02 da tarde  
Blogger ups disse...

E "Tenho uma lágrima no canto do olho" durante 3 horas numa viagem de camioneta (muito ranhosa) ?

21/10/05 2:10 da tarde  
Anonymous saleiro disse...

Ainda ontem, One, dos U2, pela mão dos Cowboys Junkies, uma dezena de vezes! lol Pancadas! Belo texto totó!

21/10/05 2:40 da tarde  
Blogger O Totó disse...

Respondendo ao Bruno Santos: Eu compreendo a tua posição de optar pela não saturação, mas há certas coisas que têm mesmo uma validade limitada, ou porque não envelhecem bem ou porque nós envelhecemos noutra direcção e deixamos de nos reconhecer em algumas coisas de que gostávamos muito. Para dar alguns exemplos já não tenho paciência para: Bjork, Jay Jay Johanson, Nick Cave, Youngods, Peter Murphy, Joy Division, Cure, Bauhaus,etc. Tudo coisas que eu adorava e que ouvi sem parar durante a adolescência. Existem outras coisas que ouvi até à saturação e que continuo a adorar: Sonic Youth, The Smiths, The The, Velvet Underground, New Order etc. Por isso o meu lema é : nada bate uma paixão de Verão :)

21/10/05 2:47 da tarde  
Blogger Xana Pinto disse...

eheheh...tá mt porreiro!! curti mm o blog ;)

21/10/05 2:54 da tarde  
Blogger The Boy with the thorn in his side disse...

Concordo contigo quando falas do tal prazo de validade! Mas também não é perciso apressá-lo...
E Smiths pode-se ouvir (excepção feita à Bigmouth strikes again) milhões de vezes que é sempre fantástico! E perfiro as paixões de Inverno, que sempre dá para aquecer...

21/10/05 4:13 da tarde  
Blogger O Puto disse...

Confesso que há álbuns que ouço mais que outros, talvez porque passaram com distinção a prova do tempo. Mas tenho sempre paciência (maior ou menor) para tudo o que ouvi no passado e cujo prazo de validade expirou. O que quase toda a gente resolvei convencionar é que cada vez mais esse prazo é menor, o que é lamentável. Só não tenho paciência para temas sobre-expostos a um público do qual eu faça parte.
Quanto ao repeat em sim, penso que há temas, álbuns e bandas em que não se consegue atingir o ponto de saturação.

21/10/05 4:37 da tarde  
Blogger FDV disse...

o modesto rato anda à roda com the world at large.

cumprimentos.

21/10/05 5:13 da tarde  
Blogger Spaceboy disse...

Sigo a mesma linha que o puto, em maior parte das músicás/álbuns que já ouvi repetidamente, ainda consigo ter paciência para as/os ouvir. Já houve algumas músicas que ouvi até saturar, mas depois dessa fase consegui voltar a elas. Aconteceu-me isto com a «Never Win» dos Fischerspooner.

21/10/05 8:51 da tarde  
Blogger membio disse...

é por isso que tento não abusar demasiadamente na audição prolongada em repeat, por vezes é dificil mas lá se vai conseguindo :) Normalmente o efeito novidade é rapidamente assimilado e é rapidamente descartado, prefiro descobrir com o tempo. Exemplo disso são os hit-singles de qualquer artista, são os que ouvimos mais e são os que colocamos de lado mais depressa tb. Passa-se o mesmo com o cinema, experimentem ver um filme dezenas de vezes, perderá o interesse rapidamente e provavelmente nunca o vão ver novamente. Ok, talvez daqui a 10 anos :) Nunca ouviram dizer, que no equilibrio é que está o ganho :))))
Fiquem Bem!

22/10/05 6:09 da tarde  
Anonymous Nel disse...

Música : Everything in its right place
Álbum : Kid A
Banda : Radiohead
Repeat Time: Uma tarde e uma noite (prái até às 11)

(eu xou axim)

... ou era

26/10/05 4:20 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home