{ background: black }

segunda-feira, fevereiro 27, 2006

The Strokes - First Impressions Of Earth (2006)

 pelO Puto 



Os Strokes surpreenderam em 2001 com "Is This It", não propriamente pela originalidade mas mais pela forma como se apoderaram de fórmulas já existentes, acrescentando-lhes alguma contemporaneidade e uma frescura disfarçada de urgência. Essa abordagem falsamente ingénua transformou os nova-iorquinos numa das bandas nucleares da nova vaga do rock, se é que assim se pode chamar.
O segundo e difícil disco foi mesmo isso: difícil, mas de audição, aceitação e consagração. A técnica estava mais apurada, porém isso não compensou a desilusão de ouvir mais do mesmo com menos empenho.
Passados 2 anos chega o disco da (suposta) mudança, a julgar pelo que o single de apresentação ("Juicebox") profetizava. Venho a constatar que não é bem assim.
O álbum começa bem, com um punhado de temas vigorosos, funcionando como síntese entre a atitude de "Is This It" e a interpretação e composição mais elaboradas, exploradas sem grande sucesso no segundo longa duração. Até a voz de Casablancas está claramente mais trabalhada e versátil, o que à partida seria algo bastante positivo. Porém, ao percorrer o alinhamento, constata-se que nem tudo corre bem. Saliento alguns excessos: o virtuosismo das guitarras nem sempre é algo bom, a aproximação desnecessária a um qualquer tema mediano dos Pogues, algumas tentativas forçadas de se equiparar ao registo de estreia. Existem algumas boas excepções (o inesperado "Ask Me Anything"), mas o arrastamento do próprio som na segunda metade leva-me a concluir que o álbum parece longo demais. Felizmente termina bem, com dois temas entusiasmantes.
Não é um mau álbum, longe disso, mas tinha esperança que me surpreendessem. Terei que esperar pelo próximo?
Sítio oficial dos Strokes
Amostras: You Only Live Once | Ask Me Anything | Evening Sun

6 Comments:

Blogger Spaceboy disse...

Não supreenderam muito (à excepção do tema «ask me anything»), mas estão melhores e este até é um bom disco, cujo maior defeito é mesmo ser longo demais...

27/2/06 12:43 da tarde  
Blogger gonn1000 disse...

Na primeira metade sinto estar perante um bom disco, mas a maioria da segunda ainda não me convenceu... De qualquer forma, parece-me o pior da banda.

27/2/06 6:50 da tarde  
Blogger myself disse...

É algo complicado...admiro a capacidade de mudança que a banda teve noção que teria que existir neste 3º registo...mas o álbum não me agrada muito mais além de metade, nem da forma que os anteriores me deram adrenalina, mesmo sendo "cópias".

É longo, torna-se chato após meia hora de edição. TODA a gente elogia o "ask me anything" eu ABOMINO essa faixa...perdoem-me.

Mas mesmo assim ainda vou-lhes dar mais uns tempos de dúvida...as paixões são assim...
:P

28/2/06 2:38 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

É mais fraco que «This is it», mas mais eficaz que o "quarto em chamas" (ou sem elas). «Heart in a cage» é candidato a melhor canção do ano:)

28/2/06 2:43 da tarde  
Blogger playlist disse...

Gosto bastante deste disco. Na minha opinião, é disco marcante para 2006!

1/3/06 11:39 da manhã  
Anonymous zééé disse...

É um disco que não cai bem à primeira e não é certamente para aquelas pessoas que dizem "o-primeiro-album-era-melhor".
Se me é permitido... Electricityscape e Ize of The World são as melhores mas gosto de todas e só carrego no Next Track quando me aparece a Ask me Anything!

6/3/06 10:22 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home